sábado, 27 de maio de 2017

Rubens Teixeira Scavone (1925-2007)

Promotor e Corregedor do Ministério Público, professor universitário, jornalista, romancista e ensaísta, Rubens Teixeira Scavone faleceu no dia 17 de agosto de 2007, aos 82 anos.
Nascido na cidade de Itapira, interior de São Paulo, em 8 de julho de 1925, filho dos escritores Hermelino Scavone e Maria de Lourdes Teixeira, o pequeno Rubens teve acesso a uma das mais completas bibliotecas do Brasil em sua própria casa. Mesmo depois da separação de seus pais mãe, continuou a conviver num meio erudito porque seu padastro, José Geraldo Vieira, também era um escritor importante.
Scavone graduou-se em 1948 pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco e seguiu a carreira do Direito, como Promotor de Justiça, chegando a ser Corregedor Geral do Ministério Público.
Paralelamente, desenvolveu uma sólida carreira literária, com uma das mais expressivas bibliografias da literatura fantástica brasileira. Estreou em 1958 com o romance O homem que viu o disco voador (Palácio do Livros), que publicou sob o pseudônimo de Senbur T. Enovacs, um anagrama de seu próprio nome. Em 1961, publicou duas coletâneas de contos, Diálogo dos Mundos (GRD) e Degrau para as estrelas (Martins), além de participar da Antologia brasileira de ficção científica (GRD), um período literariamente muito ativo.
Entretanto, Scavone não se limitou à literatura fantástica e alcançou muito sucesso também redigindo ensaios e romances mainstream. Em 1973 foi agraciado com o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro por Clube de campo (Record), um denso romance de mistério que se passa exatamente no dia em que o homem pousou na Lua.
Apesar de todo o sucesso, Scavone não deixou de participar das atividades dos fãs de ficção científica no Brasil, com os quais sentia grande identificação.

Sempre gentil e atencioso, esteve presente no histórico Simpósio de Ficção Científica do Rio de Janeiro, em 1969. Também foi convidado para formar a mesa de debates da 1ª Mostra de Ficção Científica do Clube de Leitores de Ficção Científica (CLFC), em 1987 no SESC Pompéia, em São Paulo, foi convidado da II InteriorCon 1991, em Sumaré/SP, e da I HiperCon 1993, em Santo André/SP, mesmo ano em que publicou a importante novela O 31º peregrino (Estação Liberdade), resenhada adiante.
Em 1988 foi eleito para a cadeira nº18 da Academia Paulista de Letras, que presidiu por dois mandatos.
Depois disso, debilitado por problemas de saúde, não apareceu mais entre os fãs. Mesmo assim, participou das antologias Estranhos contatos (Caioá, 1998), Histórias de ficção científica (Ática, 2005), Vinte voltas ao redor do Sol (CLFC, 2005) e Os melhores contos brasileiros de ficção científica (Devir, 2007), estas últimas através da representação de seu filho, o fotógrafo  Marcio Scavone.
Rubens T. Scavone deixa um importante legado, com um acervo de contos, novelas e romances de altíssima qualidade, que merece ser republicado para conhecimento das novas gerações de leitores. Sua contribuição para a identidade da ficção fantástica brasileira é importantíssima e deve ser sempre  referenciada.

Bibliografia:
= O homem que viu o disco voador (Palácio do Livros, 1958) – Romance.
= Degrau para as estrelas (Martins, 1961) – Coletânea.
= Diálogo dos mundos (GRD, 1961) – Coletânea.
= Antologia brasileira de ficção científica (GRD, 1961) – Antologia.
= Ensaios norte-americanos (Revista dos Tribunais, 1963) – Ensaio.
= Além do tempo e do espaço (EDART, 1965) – Antologia.
= O lírio e a antípoda (Revista dos Tribunais, 1965) – Romance.
= Passagem para Júpiter (Mundo Musical, 1971) – Coletânea.
= Clube de campo (Record, 1973) – Romance.
= A noite dos três degraus (Melhoramentos, 1976) – Romance .
= Morte, no palco (Clube do Livros, 1979) – Coletânea.
= Faukner & cia (Soma, 1984) – Ensaio.
= O Projeto Dragão (Scipione, 1988) – Coletânea.
= Templários, Frankenstein, Buracos Negros e outros temas (Hemus, 1991) – Ensaio
= Sete faces da ficção científica (Moderna, 1992) – Antologia.
= Sete faces da ficção espacial (Moderna, 1992) – Antologia.
= O 31º peregrino (Estação Liberdade, 1993) – Novela.
= Estranhos contatos (Caioá, 1998) – Antologia.
= Vinte voltas ao redor do Sol (CLFC, 2005) – Antologia.
= Histórias de ficção científica (Ática, 2005) – Antologia.
= Os melhores contos brasileiros de ficção científica (Devir, 2007) – Antologia.
Cesar Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário