domingo, 22 de outubro de 2017

Possessão (Witchboard III - The Possession, EUA / Canadá, 1995)


“No primeiro contato que tive com o tabuleiro Ouija, conhecido nos tempos antigos como a tábua da bruxa, julguei que fosse só um brinquedo, um desses jogos que fingia invocar os espíritos dos mortos. Eu estava mortalmente errado. A tábua Ouija é um portal para o outro mundo, que chama tanto bons como maus espíritos. Foi azar chamar o espírito de Nagor e seu culto de fertilidade. Meu nome é Francis Redmond e estou atualmente morto.”

Essa é a introdução de “Possessão” (Witchboard III – The Possession, 1995), lançado no Brasil em vídeo VHS pela “Canyon International”, sendo o terceiro filme de uma franquia que ainda conta com “Espírito Assassino” (Witchboard, 1986), lançado em VHS por aqui pela “Look”, e “Entrada Para o Inferno” (Witchboard 2: The Devil´s Doorway, 1993), em VHS pela “Mundial”. Como cada filme foi lançado por uma distribuidora diferente, termos uma imensa confusão de títulos nacionais, dificultando ainda mais o árduo trabalho de pesquisa e catalogação dos colecionadores.
Dirigido por Peter Svatek e com Kevin S. Tenney como um dos roteiristas (ele foi o diretor dos dois primeiros filmes da série), a história clichê é sobre a manjada tábua Ouija, já explorada à exaustão no cinema, um artefato mágico que permite a comunicação com os mortos.
A bela Julie (Locky Lambert) é casada com Brian (David Nerman), um corretor de ações que está desempregado e com dificuldades para encontrar uma recolocação no mercado. Eles moram de aluguel num apartamento cujo prédio é de propriedade do misterioso Francis Redmond (Cedric Smith), um senhor idoso solitário que coleciona objetos antigos de bruxaria e ocultismo, incluindo um tabuleiro Ouija. Ele logo convida Brian para participar de uma sessão com a “tábua da bruxa” (“Witchboard”, do título original da franquia), mostrando como incentivo o fato de ter enriquecido no mercado de ações com informações privilegiadas obtidas através de um espírito.
Porém, o contato com os mortos trouxe graves conseqüências para a vida de Brian, relacionadas com o nome do filme, trazendo para o nosso mundo o espírito de um demônio à procura de uma mulher fértil que pudesse gerar seu filho. A esposa Julie percebe as mudanças estranhas no comportamento de Brian, que inclui brincadeiras desagradáveis com uma amiga dela, a igualmente bela Lisa (Donna Sarrasin), e tenta descobrir a verdade para salvar o espírito atormentado do marido, preso em outra dimensão.
“Possessão” é apenas mais um filme comum e arrastado utilizando o tema da tábua Ouija, e que com a simples menção de seu nome já se imagina o roteiro clichê. Um espírito maligno é invocado, se apossa do corpo de um homem, e temos um demônio na Terra para colocar em prática seu plano de reprodução. Nada mais óbvio e desgastante. O filme é datado dos anos 90, com efeitos especiais toscos e típicos dos filmes bagaceiros daquele período. Talvez o espectador até consiga obter alguma diversão rápida, não com a história patética, mas nos momentos de aparição do demônio em sua forma real. No mais, trata-se apenas de outro filme que nasceu para se perder no limbo.
(Juvenatrix – 22/10/17)

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Terror Mortal (Deadly Strangers, Inglaterra, 1975)


Terror Mortal” (manjado título nacional escolhido para o original “Deadly Strangers”) é um thriller inglês de 1975 que era exibido na televisão nas madrugadas da TV Globo, na sessão “Corujão”.
Dirigido por Sidney Hayers, a história mostra a fuga de um paciente de um hospital psiquiátrico numa cidade no interior da Inglaterra, aproveitando uma oportunidade de distração no atendimento de uma enfermeira. A polícia então logo inicia o processo de procura do fugitivo louco e informa a ocorrência na região, alertando para a ameaça de segurança e o perigo mortal que representa o paciente do hospício solto nas ruas.
Enquanto isso, uma bela jovem, Belle Adams (Harley Mills), está numa lanchonete de estrada tentando conseguir carona para pegar um trem numa estação ferroviária próxima. Depois de um incidente desagradável com o motorista do caminhão que decidiu levá-la inicialmente, ela aceita depois o convite de carona no carro de Stephen Slade (Simon Ward), um misterioso vendedor que passa a maior parte do tempo viajando, e que exagera no consumo de bebida alcoólica e demonstra um comportamento estranho de “voyeur”. E as coisas se complicam bastante após um confronto indesejado com dois motoqueiros arruaceiros na estrada e a presença de um psicopata assassino nas redondezas.
“Terror Mortal” é uma produção de baixo orçamento nitidamente datada dos anos 70 do século passado, um thriller com elementos de “road movie” que apesar dos inevitáveis clichês até consegue manter uma relativa atenção nas ações do casal recém formado, as constantes fugas pelas estradas do campos ingleses, a ameaça do fugitivo do asilo de loucos e a dúvida de sua identidade,  a tradicional incompetência da polícia, que nunca consegue impedir os assassinatos e sempre está atrasada nas investigações, além de uma interessante reviravolta no desfecho. O filme tem uma história simples, mas eficiente, sem barulheira, tiroteios e ação desenfreada que mais cansam do que instigam. Ao contrário, o roteiro aposta em suspense sutil e insinuações que presenteiam o espectador com uma diversão rápida e a nostalgia da década de 1970.     
Tanto Hayley Mills quanto Simon Ward eram atores bastante conceituados na época e suas performances são convincentes e de grande valor para o filme, cuja história simples poderia transformá-lo apenas em outro exemplo descartável do estilo. E curiosamente, o veterano ator americano Sterling Hayden (1916 / 1986) teve uma participação pequena como um excêntrico galanteador que também oferece carona para a mocinha.
(Juvenatrix – 20/10/17)

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A Maldição de Zachary (Slime City, EUA, 1988)


Lançado em vídeo VHS no Brasil pela “Lamy Filmes”, “A Maldição de Zachary” (Slime City, 1988), com direção e roteiro de Gregory Lamberson, é o típico filme bagaceiro de horror dos anos 80, nitidamente datado, com as trilhas sonoras da época e efeitos especiais sem as facilidades da computação gráfica, com várias cenas de mortes sangrentas, tripas expostas e gosmas coloridas para todos os lados.
Na história, Alex Carmichel (Craig Sabin) é um estudante e aspirante a pintor que se muda para um apartamento na tentativa de ficar ainda mais próximo da namorada e colega de escola Lori (Mary Huner). No mesmo prédio moram outros jovens estranhos como Roman (Dennis Embry) e a bela Nicole (também Mary Huner), além das idosas Ruby (Bunny Levine), que convenceu Alex a alugar o apartamento, e Lizzy (Jane Doniger Reibel), a proprietária do prédio. Roman logo oferece ao novo inquilino um misterioso caldo gosmento para se comer como iogurte, e a bela Nicole, que está sempre pouco vestida com roupas de couro, logo utiliza seu charme e sensualidade para seduzir Alex.
 A Sra. Lizzy é filha de Zachary Devon, um antigo feiticeiro conhecedor de alquimia e ocultismo, que liderava uma seita satânica onde todos os seguidores se suicidaram e tentavam retornar do mundo dos mortos se apossando do corpo dos jovens que moravam no prédio. O bruxo deixou como legado um misterioso líquido verde, armazenado em garrafas no porão, mantido por Lizzy e oferecido como um elixir para Alex beber. O rapaz então se transforma numa criatura deformada e gosmenta, ávida por matar, derretendo um líquido viscoso de seu corpo. E com o desaparecimento de suas vítimas, entre mendigos, prostitutas e até os próprios amigos como Jerry (T. J. Merrick), ele acaba despertando a atenção da polícia incompetente, através da investigação do detetive Irish (Dick Biel), incapaz de descobrir qualquer coisa e impedir as ações do assassino.
Se por um lado o filme tem a tradicional história clichê do homem transformado em monstro assassino, com atuações inexpressivas do elenco, podemos enaltecer os efeitos especiais, mesmo numa produção de baixo orçamento. Eles são muito divertidos, principalmente nas cenas violentas no desfecho do filme, com banhos de sangue, tripas dilaceradas e cérebro rastejante sem CGI. Temos até cabeça separada do corpo e membros decepados que continuam vivos e ansiosos para sangrar a mocinha.     
Curiosamente, percebemos influências de outros filmes divertidos do horror bagaceiro como “O Incrível Homem Que Derreteu” (1977), “A Coisa” (1985) e “Street Trash” (1987), entre outros. Teve uma continuação em 2010, “Slime City Massacre”, também do diretor e roteirista Gregory Lamberson e com o mesmo ator Craig Sabin. 
(Juvenatrix – 13/10/17)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

La Maldición de la Bestia (Night of the Howling Beast, Espanha, 1975)


Dono de uma carreira voltada para o divertido cinema fantástico bagaceiro, o multifuncional espanhol Paul Naschy (1934 / 2009) é um dos cultuados nomes do gênero e criador do lobisomem Waldemar Daninsky, atuando como esse personagem em 13 filmes entre 1968 e 2004. O oitavo da série recebeu vários nomes diferentes, desde o original espanhol “La Maldición de la Bestia” até alguns títulos ingleses como o estranho “The Werewolf vs. the Yeti” e o sonoro “Night of the Howling Beast”. Dirigido por Miguel Iglesias (creditado como M. I. Bonns) em 1975, o roteiro também é de Paul Naschy (creditado como Jacinto Molina), numa mistura com vários clichês do gênero, abordando licantropia, vampirismo, canibalismo e até o folclórico “Yeti”, mais conhecido na cultura pop como o “abominável homem das neves”.
O aventureiro Waldemar Daninsky (Paul Naschy) se encontra com o Prof. Lacombe (Josep Castillo Escalona) e sua bela filha Sylvia (Mercedes Molina, creditada como Grace Mills), para formar uma expedição científica nas montanhas do Himalaia, Tibet, para tentar localizar o lendário homem das neves, também conhecido como “Yeti”. Faz parte também do grupo, entre outros, o jovem Larry Talbot (Gil Vidal). Daninsky encontra uma misteriosa caverna nas montanhas geladas, com um antigo santuário budista em seu interior, protegida por duas belas guardiãs que se revelam vampiras demoníacas e canibais.
Elas aprisionam Daninsky como escravo sexual e através de uma mordida ele é transformado em lobisomem nas noites de lua cheia. Após conseguir escapar do cativeiro, ele ainda tem que enfrentar um tirano sádico, Sekkar Khan (Luis Induni), que lidera um grupo de bandidos violentos, juntamente com a perversa feiticeira Wandesa (Silvia Solar), e que seqüestraram os membros da expedição científica do Prof. Lacombe. Seu objetivo agora é lutar para salvar a bela Sylvia das garras do vilão, mas seus problemas se intensificam ainda mais ao cruzar o caminho do “Yeti” e confrontá-lo numa luta mortal.    
Os efeitos de trucagem na transformação de Daninsky em lobisomem são muito interessantes, e a maquiagem tosca tanto do lobisomem quanto do “Yeti” são bem divertidas, analisando dentro do contexto do cinema bagaceiro de horror. O filme tem muitas mortes sangrentas, apesar de pouco gráficas. E um destaque certamente é uma cena de tortura de uma mulher que tem parte da pele das costas arrancada brutalmente para servir de tentativa de alívio num tratamento alternativo das terríveis dores causadas por feridas nas costas do vilão Sekkar Khan.
Curiosamente, o nome do personagem Larry Talbot é o mesmo do filme “O Lobisomem” (The Wolfman, 1941), da produtora americana “Universal”, com Lon Chaney Jr. interpretando o papel do homem que se transformaria em lobisomem.
A opção de enfatizarem a criatura mítica “Yeti” em títulos alternativos do filme parece nitidamente oportunista para chamar a atenção do público, pois o homem das neves aparece pouco, apenas rapidamente no início do filme, e depois no desfecho, na luta com o lobisomem.
Uma das taglines promocionais, que numa tradução literal seria algo como “duas feras sanguinárias num combate mortal” é bem sensacionalista, uma vez que o tal confronto só acontece no final e de uma forma que pode ser considerada discreta e decepcionante.  “La Maldición de La Bestia” é basicamente um filme tosco de lobisomem com quase nada de “Yeti”.
É evidente a boa tentativa de horror dos realizadores, mas mesmo com resultados apenas medianos, o filme ainda fez parte da lista de produções banidas na Inglaterra (os chamados “vídeos nasty”) na década de 1980, pelo conteúdo de violência.
(Juvenatrix – 06/10/17)

sábado, 30 de setembro de 2017

Ataque Alienígena (Alien Attack, Inglaterra, 1976)


“Espaço 1999” (1975 / 1977) é uma série de TV de ficção científica com produção inglesa de Gerry e Sylvia Anderson, e que teve duas temporadas com 48 episódios de 50 minutos. Alguns episódios foram compilados e transformados em telefilmes de longa metragem nos anos seguintes. Um desses filmes para a televisão é “Ataque Alienígena” (Alien Attack, 1976), dirigido por Charles Crichton, Lee H. Katzin e Bill Lenny, numa reunião dos episódios número 1 “Breakaway” e número 4 “War Games”.

“Desde o início dos tempos quando o Homem olhou para o Universo, nossa galáxia foi dominada pela Lua, o grande satélite natural da Terra. Essa obsessão levou às explorações em meados do século XX, culminando na base lunar de hoje. Um instrumento complexo e adiantado, auto-suficiente em todos os aspectos. O centro de comando, Base Lunar Alfa, é uma estação bem colonizada, monitorada regularmente e funcionando bem. Sua existência foi possível pela alimentação com lixo nuclear da Terra. Desta base as fronteiras podem se estender e a busca por outras formas de vida tornou-se possível. Recebemos agora sinais do planeta Meta, que podem ser seres inteligentes. A missão: sondagem com homens. A nave está pronta, a tripulação completa o seu treinamento. O ano: 2100.”

Com essa introdução narrada, tem início “Ataque Alienígena”, com a curiosidade de alterar o ano de 1999 (da série de TV) para 2100, numa tentativa dos produtores em dar mais credibilidade para os avanços tecnológicos. Na Terra, o Comissário Gerald Simmonds (Roy Dotrice), nomeia o Comandante John Koenig (Martin Landau, 1928 / 2017) para chefiar uma base científica na Lua com 300 homens e mulheres, e tentar descobrir a causa misteriosa da morte de vários astronautas, com danos cerebrais graves sem recuperação, causando surtos seguidos de morte, podendo ter alguma relação com o lixo tóxico vindo da Terra e armazenado na Lua. Seu objetivo também é liderar uma equipe de sondagem do planeta Meta. Para ajudá-lo, ele conta com o apoio da responsável pela equipe médica, a Dra. Helena Russell (Barbara Bain), e também o cientista Prof. Victor Bergman (Barry Morse).
Porém, ocorre uma explosão nuclear de grandes proporções com os resíduos tóxicos estocados no lado oculto do satélite, tirando-o da órbita da Terra rumando para o espaço infinito, carregando a base Alfa e impossibilitando alguma ação de resgate, sendo considerada perdida. Uma vez viajando sem destino, eles entram em contato com um planeta misterioso e um confronto bélico é inevitável. De um lado, os humanos procurando um novo lar, e do outro, os alienígenas bem mais avançados, representados por um humanoide macho (Anthony Valentine) e uma fêmea (Isla Blair), que não querem ser importunados pelos intrusos da Terra.
A primeira parte de “Ataque Alienígena” é mais arrastada, com o foco na investigação do Comandante Koenig sobre o mistério da radiação magnética que está levando os astronautas da base lunar à loucura e depois morte, até a ocorrência da explosão que lançou a Lua sem rumo no espaço. Depois, na segunda metade, com as ações de batalha espacial entre os humanos e os alienígenas o ritmo narrativo ganhou intensidade com tiroteios, explosões de bombas, naves destruídas e incêndios nas instalações de ambos os lados da guerra. 
Os efeitos especiais são datados dos anos 1970 e considerados ótimos para os padrões da época, com naves espaciais e instalações da base lunar em miniaturas, além de cenários e figurinos futuristas, tudo sem o apoio da computação gráfica que auxilia na concepção dos efeitos do cinema moderno do século XXI.
Curiosamente, “Ataque Alienígena” foi distribuído no Brasil em vídeo VHS pela “Office” e outros filmes de longa metragem também foram lançados com compilações de episódios da série “Espaço 1999”, como “Journey Through the Black Sun” (1976), “Destination Moonbase-Alpha” (1978) e “A Princesa Cósmica” (1982).
(Juvenatrix – 30/09/17)

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Amor Satânico (Deadly Love, EUA, 1987)


É curioso notar que alguns filmes extremamente ruins e obscuros, que são completamente ignorados em seu próprio país de origem, receberam a lembrança de serem lançados no Brasil, independente do tipo de mídia. “Amor Satânico” (Deadly Love, 1987) é um deles, lançado por aqui em vídeo VHS pela “Poletel”, com direção e roteiro de Michael O´Rourke, sendo uma tranqueira tão ruim que é difícil de assistir, num imenso exercício de paciência do espectador em acompanhar o filme até seu desfecho.
Nos anos 60 um casal de namorados formado por Annie Butler (Cassie Brown) e o motoqueiro Buddy (Mark Oglesby) vive numa pequena cidade americana. Porém, o pai rico de Annie não aceita o namoro e durante um confronto com o rapaz, ele é morto pelo capataz de sua fazenda, Clint (Jim Alves), que também nutre um amor platônico pela moça.
Vinte anos depois, Annie vive sozinha na fazenda após a morte de seu pai, e continua sofrendo por amor, tornando-se reclusa e conhecida pelos jovens locais como maluca, sendo atormentada por eles. Ela apela para os ensinamentos sobre um feitiço de um espelho mágico, consultando um livro de ocultisrmo, e após aprender como fazer um ritual de magia negra, seu antigo namorado retorna dos mortos para visitá-la. Ainda assim, ela se suicida e uma sobrinha herda a propriedade, Hillie (Eileen Hart), que faz amizade com um jovem da cidade, Skip (Buddy Reynolds), e não imaginam que uma figura sombria vestida como motoqueiro está rondando o local ao mesmo tempo em que corpos de jovens mortos começam a surgir.
“Amor Satânico” é bem datado, lembrando os anos 80, época de fitas cassete e discos de vinis tocados em vitrolas. A história é bem patética, com uma narrativa arrastada que afasta o filme de qualquer tipo de diversão, exceto talvez por alguns poucos momentos de violência com mortes sangrentas. O elenco é sofrível, com interpretações ruins e amadoras contribuindo para o desinteresse geral. O roteiro tenta criar alguma tensão com reviravoltas, mas não impede um resultado que apenas coloque o filme num merecido lugar no limbo das produções que ninguém viu, se lembra ou faz questão de se lembrar.
(Juvenatrix – 24/09/17)

Vingança Eterna / A Múmia Vive (The Mummy Lives, EUA, 1993)


A “múmia” é um dos monstros clássicos do Horror, ao lado do vampiro “Drácula”, “criatura de Frankenstein”, “lobisomem” e outros, e regularmente tem inspirado a produção de grande quantidade de filmes ao longo da história do gênero. “Vingança Eterna” (The Mummy Lives, 1993) foi lançado por aqui em vídeo VHS pela Warner e também recebeu o título “A Múmia Vive” (tradução literal do original) quando foi exibido na televisão (TV Globo). Foi dirigido por Gerry O´Hara e é apenas mais um filme com o mesmo tema de maldição de múmia egípcia. E talvez os únicos diferenciais para a infinidade de filmes similares sejam a presença do ator Tony Curtis (1925 / 2010) no papel principal, e o nome do cultuado escritor Edgar Allan Poe, creditado por um conto que inspirou o roteiro. Mas não é o suficiente para impedir de situar o filme no limbo das produções sem importância sobre múmias.
Um grupo de arqueólogos formado, entre outros, pelo Prof. Alexatos (Mohammed Bakri) e pelo Sr. Kroll (Mosko Alkalai), financiados pelo magnata inglês Lord Maxton (Jack Cohen), está realizando escavações nas proximidades de Cairo, a capital do Egito, e encontra uma sala oculta com a tumba de uma múmia de 3000 anos. Trata-se de Aziru (Tony Curtis), que foi condenado pelo amor proibido com Kia (Leslie Hardy), uma das concubinas preferidas de Zoth, o Deus da Vingança. Pelo delito foi punido e transformado em múmia pela eternidade, lacrado vivo num sarcófago, tornando-se protetor dos mortos e guardião dos tesouros do seu mestre, lançando maldições contra os profanadores do túmulo sagrado.
Após despertada da inatividade, a múmia retorna para o mundo dos vivos como o Dr. Mohassid (também Tony Curtis), um estudioso da cultura egípcia e especialista em antiguidades. Ele encontra na bela Sandra Barnes (também Leslie Hardy) a reencarnação de sua amada Kia, planejando a união deles num ritual de sacrifício num evento astronômico com uma rara conjunção planetária. Sandra sofre com constantes pesadelos e conta com a ajuda do médico Dr. Carey Williams (Greg Wrangler), apaixonado por ela, para lutar pela vida e impedir um trágico destino no plano maquiavélico da múmia.
“Vingança Eterna” é um filme cansativo, que não consegue criar uma empatia com o espectador ao apresentar e explorar os mesmos velhos clichês sobre múmias, o imperialismo inglês no Egito, as escavações à procura de tesouros perdidos no tempo, as profanações dos túmulos sagrados, os roubos de artefatos preciosos para museus e patrimônios particulares, as maldições lançadas contra quem invadisse seus territórios proibidos e a manjada vingança de retaliação com poucas e previsíveis mortes discretas. Ou seja, mais do mesmo, sem novidades, numa produção comum com quase nada de violência ou sangue, e que nem Tony Curtis conseguiu evitar que tenha seu lugar garantido no esquecimento.
(Juvenatrix – 24/09/17)

Max Mallmann (1968-2016)

No dia 4 de novembro de 2016, aos 48 anos, perdemos o escritor e roteirista brasileiro Max Mallmann Souto-Pereira, uma das gratas revelações do final da Segunda Onda da ficção científica brasileira.
Mallmann era gaúcho de Porto Alegre e estreou em 1989 com o livro de realismo fantástico Confissão do minotauro, publicado pelo Instituto Estadual do Livro. Seu segundo romance foi o vencedor do Prêmio Açorianos Mundo bizarro (1996, editora Mercado Aberto), também na linha do realismo fantástico e com o qual ele foi definitivamente integrado ao fandom nacional da literatura de gênero.
No final dos anos 1990, Mallman iniciou seu trabalho como roteirista na TV Globo, onde atuou  em importantes seriados e novelas, tais como Malhação, A grande família e Carga pesada, mas não abandonou o ofício de escritor. Em 2000 publicou pela editora Rocco a novela Síndrome de quimera, finalista do Prêmio Jabuti e ganhadora do Prêmio Argos. Seus livros seguintes, também pela Rocco,  foram Zigurate: Uma fábula babélica (2003) e a ficção histórica  O centésimo de Roma (2010), e sua sequência, As mil mortes de César (2014). Seu último trabalho publicado foi Tomai e bebei, uma pequena novela sobre vampiros lançada em 2015 pela editora Aquario.
Dono de uma prosa agradável e divertida, Mallmann não abria mão do humor e da ironia em doses generosas, que eram também características de seu comportamento social, sendo assim um autor querido por seus colegas e leitores.
Sua morte foi decorrência do agravamento de um câncer de pulmão com o qual lutava desde 2015. O corpo foi cremado no Memorial do Carmo, no Rio de Janeiro, e as cinzas levadas para sua cidade natal.


sábado, 23 de setembro de 2017

Narco Satanico (México, 1968)


“Sonhar com uma mulher vestida de noiva significa morte, mas se o noivo é Satã, a morte é provocada por forças do além.”
Narco Satanico” é uma produção obscura mexicana de 1968 dirigida por Rafael Portillo, que traz uma história que mistura elementos de magia negra e satanismo com crimes passionais e zumbis vingativos.
Vicki (Ana Luisa Peluffo) é uma dançarina apaixonada pelo arquiteto Ricardo Santamaria (Gonzalo Aiza, creditado como Carluis Saval), um homem rico e bem sucedido que é casado com Barbara (Barbara Wells). Para conseguir a atenção dele, a inescrupulosa Vicki apela para os serviços de magia negra de uma bruxa (Norma Somarriba) e num ritual de satanismo ela faz um pacto com o demônio, oferecendo seu corpo e alma em troca de juventude, beleza e poder sobre os homens.
Ela consegue seus objetivos usando forças sobrenaturais para prejudicar Barbara e seus familiares. Porém, depois que Vicki mata violentamente seu amante Ricardo depois de receber uma orientação em sua mente do próprio diabo, ela passa a sentir na pele a fúria vingativa do morto, cujo espírito se apossa do corpo de seu irmão Carlos (também interpretado pelo mesmo ator).
O filme é uma tranqueira extremamente ruim que somente diverte um pouco os fãs de cinema bagaceiro de horror por causa das várias cenas de pesadelos de Carlos sendo atormentado num cemitério tosco, entre túmulos sinistros e criaturas bizarras. Os efeitos de maquiagem são tão precários que passam a ser inevitavelmente risíveis. Além da utilização artificial e forçada de gargalhadas tétricas e uivos de lobo retirados de algum efeito sonoro padrão. Tem também o zumbi Ricardo saindo apodrecido de sua cova e retornando para o mundo dos vivos, arrancando literalmente as tripas de quem cruzasse seu caminho, à procura de vingança e para cumprir uma promessa macabra que fez para sua esposa.
A história é uma salada indigesta com tantos elementos de horror misturados que o resultado final virou uma bagunça com a tendência de desviar a atenção do espectador. Os vários cortes bruscos de edição e uma parte irritante da trilha sonora contribuem ainda mais para afastar o interesse, exceto apenas pelas mortes sangrentas e a atmosfera fantasmagórica dos devaneios e cenas oníricas.
(Juvenatrix – 22/09/17)

O cão de caça e outras histórias

O cão de caça e outras histórias, (The hound e other stories) H. P. Lovecraft & Gou Tanabe, 176 páginas, Editora JBC, São Paulo, 2015

O escritor americano H. P. Lovecraft (1890-1937) tornou-se, ao longo dos últimos trinta anos, um dos autores literários mais adaptados para os quadrinhos, concorrendo em prestígio com Edgar Allan Poe e Ray Bradbury.
Na coletânea O cão de caça e outras histórias, traduzida em 2015 pela Editora JBC, encontramos ótimas adaptações de três histórias clássicas do mestre do horror, com roteiro e desenhos intensos do mangaka Gou Tanabe.
Em "O templo" ("The temple"), num raro cenário de guerra na obra de Lovecraft, o último sobrevivente a bordo de um submarino alemão naufragado se vê diante dos portões e escadarias de uma cidade perdida nas profundezas do mar. "O cão de caça" ("The hound", também conhecido no Brasil como "O sabujo"), conta a história de dois amigos em busca de emoções bizarras que, ao encontrar um raro artefato numa sepultura, são amaldiçoados para sempre. "A cidade sem nome" ("The nameless city") fecha a edição, com o relato de um explorador que encontra, sob as areias do deserto, a necrópole de uma antiga civilização que ainda mantém segredos terríveis em seu interior.
Tanabe, que tem em seu currículo as séries Kasane, Mr. Nobody e The outsider, é senhor de um traço acadêmico realista que combina perfeitamente com o estilo das histórias tenebrosas de Lovecraft, em nada lembrando as caricaturas dos mangás mais populares.
Por enquanto, só tivemos a felicidade de encontrar esta edição no Brasil, mas há notícias que Tanabe adaptou mais histórias de Lovecraft. Tomara que as editoras nacionais traduzam mais trabalhos dessa série, que é uma das melhores já realizadas a partir da obra do Cavalheiro de Providence.
Cesar Silva

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Superman and the Mole-Men (EUA, 1951)


“Há muitos anos atrás, quando o planeta Krypton, lar de uma raça de super homens, explodiu no espaço, o único sobrevivente foi um menino que veio para a Terra, com poderes e habilidades muito superiores a dos homens mortais. Hoje o menino é um adulto conhecido como Super Homem. Para ajuda-lo em sua batalha sem fim contra as forças do mal, ele se disfarça de Clark Kent, um discreto repórter de um grande jornal de Metrópolis. Ninguém sabe que Kent é o Super Homem, corajoso defensor da verdade, da justiça e da América.”
Com essa introdução narrada inicia-se o filme de aventura com elementos de fantasia e ficção científica “Superman and the Mole-Men”, produção em preto e branco de 1951 que numa tradução literal seria “Super Homem e os Homens-Toupeira”. Curto, com apenas 58 minutos de duração, o filme é bem ruim, principalmente pela história ingênua e previsível demais, cheia de clichês óbvios e cansativos (mesmo para aquela distante época), e pelos efeitos hilários de tão bagaceiros.
Com direção de Lee Sholem, a história mostra a pequena cidade de Silsby, que é conhecida pelo poço de petróleo mais profundo do mundo. Os repórteres do jornal “Planeta Diário”, Lois Lane (Phyllis Coates) e Clark Kent (George Reeves, que morreu com apenas 45 anos), foram escalados para viajar até a cidade e fazer uma matéria sobre o assunto. Porém, eles são mal recebidos pelo supervisor do campo de petróleo, Bill Corrigan (Walter Reed), que informa que o poço está fechado, contrariando até o responsável pelas relações públicas da empresa, John Craig (Ray Walker), que não sabia desse fato e acompanhava os jornalistas na visita monitorada.
Entretanto, os repórteres ainda ganhariam um assunto interessante e no mínimo incomum para sua matéria, depois que dois pequenos seres estranhos parecidos com toupeiras (daí a motivação para o título original “mole-men”), decidiram sair de suas tocas num mundo subterrâneo através de uma escotilha no poço de petróleo, e investigar por curiosidade o mundo dos humanos acima do solo.
As criaturas são mal recebidas pelos moradores da cidade, e liderados pelo prepotente Luke Benson (Jeff Corey), começam a caçar mortalmente os invasores com a ajuda de cães farejadores. Resta ao herói Super Homem a tarefa de impedir a chacina e salvar os homens toupeira, restabelecendo a ordem e justiça na cidade.
O filme especula que o centro da Terra é oco e que o profundo poço de petróleo permitiu a entrada de uma raça de criaturas parecidas com toupeiras radioativas na superfície do planeta. Elas são inofensivas, mas são confundidas como seres hostis, ameaçadores e perigosos, validando a ideia extremamente explorada no cinema fantástico sobre a intolerância da humanidade contra tudo que desconhece, sempre adotando reações ofensivas antes de avaliar a situação com mais inteligência. As criaturas inevitavelmente tornaram-se vítimas dos homens da superfície, sendo perseguidas e caçadas violentamente.
A história é tão ingênua e recheada de situações óbvias e previsíveis, que fica difícil despertar algum interesse no espectador. E os efeitos bagaceiros ao extremo, típicos de uma produção de baixíssimo orçamento e com as dificuldades técnicas da época, apenas ajudaram a tornar o filme ainda mais ruim. Normalmente, para os apreciadores de filmes bagaceiros, os efeitos toscos fazem parte da diversão junto com as histórias exageradas no escapismo e fantasia, mas no caso de “Superman and the Mole-Men”, o roteiro banal de super herói junto com os efeitos ruins tornaram o resultado final bem decepcionante.
As criaturas do centro da Terra são anões fantasiados de forma hilária, usando uma espécie de touca na cabeça para simular a falta de cabelos na parte central, e com sobrancelhas grossas e mãos peludas, tentando passar a ideia de seres com corpo de marmota e rostos humanoides. Entre os “efeitos especiais”, vale destacar uma cena que provavelmente está entre as mais toscas que já vi no cinema fantástico bagaceiro, e posso garantir que já vi muita porcaria do gênero: o resgate de um homem toupeira baleado, caindo do alto de uma barragem e sendo salvo no ar pelo super homem.
Para completar, ainda temos um xerife extremamente incompetente, interpretado por Stanley Andrews, que não tem autoridade na pequena cidade e é facilmente dominado pelos habitantes revoltosos contra as criaturas do subterrâneo. Aliás, os homenzinhos tentam se vingar da má receptividade dos humanos utilizando uma enorme arma de raios que quase não conseguem carregar, que é risível de tão bizarra.
(Juvenatrix – 21/09/17)

domingo, 17 de setembro de 2017

Mistério no Bosque / Olhos na Floresta (The Watcher in the Woods, EUA, 1980)


A produtora “Walt Disney”, conhecida pelas animações e filmes com humor e histórias voltadas para a família, também tem a sua contribuição para o gênero fantástico, representado por “Mistério no Bosque” (1980), uma mistura de horror, assombração, suspense, mistério e até ficção científica. A direção é do inglês John Hough, que tem em seu currículo “As Filhas de Drácula” (1971), da “Hammer” e com o ícone Peter Cushing, e o clássico de casa assombrada “A Casa da Noite Eterna” (1973), com Roddy McDowall.
Uma família se muda para um antigo casarão no interior da Inglaterra, isolado e cercado por uma floresta. Temos o pai músico Paul Curtis (o escocês David McCallum, rosto conhecido pela série de TV dos anos 70 “O Homem Invisível”), a mãe escritora Helen (Carroll Baker) e as duas filhas, a adolescente Jan (Lynn-Holly Johnson) e a pequena Ellie (Kyle Richards). A mansão pertence à idosa mal humorada Sra. Aylwood, interpretada por Bette Davis (1908 / 1989), veterana com vários filmes de horror na carreira como o clássico “O Que Aconteceu Com Baby Jane?” (1962). 
Porém, um mistério ronda a região, com o desaparecimento 30 anos atrás da adolescente Karen (Katharine Levy), filha da Sra. Aylwood, em circunstâncias estranhas durante um raro eclipse solar, e que nunca foram solucionadas. Um segredo obscuro também envolve outros moradores das redondezas como o sinistro John Keller (Ian Bannen), o ermitão Tom Colley (Richard Pasco), e Mary Fleming (Frances Cuka), mãe do adolescente Mike (Benedict Taylor), amigo de Jan, e vizinho que trabalha com frutas e legumes.
Para complicar ainda mais as coisas, a família recém chegada precisa lidar com a ocorrência de constantes situações perturbadoras como ruídos, vozes e visões fantasmagóricas de uma menina com os olhos vendados, desesperada pedindo ajuda. Além de sensações desconfortáveis como se os novos moradores estivessem sendo observados à espreita (daí o título original), tanto no interior da enorme casa quanto principalmente no bosque sinistro, em relatos das filhas que revelam habilidades sensitivas.  
“Mistério no Bosque” é um filme comum sobre casas e florestas assombradas, com todos os velhos clichês e elementos do estilo, que ainda assim continuam funcionando sem muita exigência. Uma diferença notável que lhe confere certo destaque é a sempre bem vinda presença de Bette Davis no elenco, mesmo numa participação menor, e o fato de ser uma produção da “Walt Disney”, cujo nome está sempre associado às animações e filmes infanto-juvenis de aventura, comédia e dramas familiares, sem ligação com o horror.
Entre as diversas curiosidades interessantes, vale destacar que o final original do filme lançado em 1980 foi considerado muito sombrio e não foi bem recebido na época. Então os realizadores optaram por relançar o filme um ano depois em 1981, com outro final mais leve e explicativo, que teve a direção não creditada de Vincent McEveety. Particularmente, o final original e depois censurado é muito melhor e mais interessante, com ótimos efeitos especiais típicos daquele período e com uma associação mais efetiva com os elementos de ficção científica da história.
O filme foi baseado no livro “A Watcher in the Woods” (na tradição literal, “Um Observador na Floresta”, publicado em 1976 e escrito por Florence Engel Randall. A película recebeu dois nomes no Brasil, “Mistério no Bosque” na exibição nos cinemas e “Olhos na Floresta” no lançamento em vídeo VHS. Em 2017, ganhou uma refilmagem dirigida por Melissa Joan Hart e com Anjelica Houston liderando o elenco.
Boa parte das locações são as mesmas do clássico “Desafio ao Além” (The Haunting, 1963), de Robert Wise, um dos principais filmes de casas assombradas da história do cinema de horror.
(Juvenatrix – 17/09/17)

sábado, 9 de setembro de 2017

O Endereço do Medo (The House That Mary Bought, Inglaterra, 1995)


O Endereço do Medo” (The House That Mary Bought, 1995) é uma produção inglesa para a televisão que foi lançada em DVD no Brasil. Trata-se de uma história típica de suspense e mistério, dirigida por Simon MacCorkindale (1952 / 2010), a partir de um roteiro dele em parceria com Chris Bryant, baseado numa novela de Tim Wynne-Jones.
Mary Close (Susan George) pinta quadros e é casada com Malcolm (Ben Cross), um arquiteto que também gosta de escrever. Eles vivem num belo casarão à beira mar, afastado da cidade. Sozinhos depois da morte do filho, o casal conta apenas com a ajuda parcial de uma empregada doméstica, Odette Callot (Chantal Gresset). Porém, as coisas começam a se complicar depois que diversos eventos misteriosos e estranhos passam a acontecer na enorme casa isolada, transformando o local no “endereço do medo” do título nacional. E a “casa que Mary comprou”, do título original, torna-se o palco de um mistério que poderia ser associado a assombrações ou loucura dos moradores.
Os acontecimentos bizarros geram um clima de tensão constante e crescente envolvendo o casal e também amigos próximos como Alex Fischer |(Maurice Thorogood), o agente para exposição dos quadros de Mary, ou a jovem Claire Benoit (Charlotte Valandrey), secretária de Malcolm. Culminando com as investigações da polícia local, sob o comando do Inspetor Jarrier (Jean-Paul Muel), que tenta em vão descobrir alguma coisa.
O filme é uma típica produção para a televisão, sem elementos de violência ou cenas sangrentas, num trabalho mais voltado para o suspense psicológico sobre o mistério da casa, com um resultado final mediano, o que não deixa de ser interessante, uma vez que a grande maioria dos filmes similares é descartável. Apesar de longo, com 104 minutos, sua história desperta uma empatia com o espectador na construção relativamente bem sucedida de uma atmosfera de mistério que prende a atenção na tentativa de descoberta da origem e motivação dos acontecimentos estranhos na casa, com a inevitável influência no relacionamento do casal, progressivamente mais conturbado.
(Juvenatrix – 08/09/17)

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O Massacre da Serra Elétrica - Arquivos Sangrentos (2003)


“...O Massacre da Serra Elétrica é atemporal, inigualável, talvez até uma obra de arte; ele criou vida própria além de qualquer coisa que seus realizadores pudessem ter imaginado...” 

A Editora “Dark Side” presenteou os fãs brasileiros lançando por aqui em 2013 um livro sobre os bastidores de um dos grandes e indispensáveis filmes de horror de todos os tempos, “O Massacre da Serra Elétrica” (The Texas Chainsaw Massacre, 1974), dirigido por Tobe Hooper e que iniciou uma extensa franquia com continuações e refilmagens. A autoria é do músico e escritor inglês Stefan Jaworzyn, e o livro traz uma imensa quantidade de fotos, informações gerais e principalmente detalhes e curiosidades de bastidores da produção não só do primeiro filme, mas de toda a extensa franquia, com depoimentos de muita gente envolvida no projeto, de atores à equipe técnica. O livro, na verdade um compêndio, foi lançado pela “Coleção Dissecando – Filmes Clássicos de Terror” em duas versões, sendo uma delas com capa dura.

“Eggshells” (1969)

O capítulo inicial falando sobre o primeiro filme de longa metragem da carreira de Tobe Hooper, “Eggshells”, é bem arrastado e cansativo, não despertando interesse. O filme é um drama psicodélico experimental com elementos de fantasia. Porém, logo a seguir, ao iniciar os depoimentos sobre o clássico “Massacre”, começa a grande quantidade de curiosidades e informações de bastidores.  

“O Massacre da Serra Elétrica” (1974)

O cineasta Tobe Hooper, que nasceu em 1943 em Austin, Texas, e morreu em 2017, revelou que a ideia básica para a concepção do filme teve inspiração numa combinação de quatro fatores. A leitura dos antigos quadrinhos americanos de horror da “E.C. Comics” dos anos 1950, que foram censuradas e cujas histórias se transformaram em filmes e séries de TV. A lenda do assassino em série Ed Gein, que vivia em Wisconsin e tinha a particularidade de guardar os ossos e se alimentava literalmente de suas vítimas. A ressaca de seu primeiro filme na carreira, o psicodélico “Eggshells” (1969). E as tão temíveis serras elétricas, as quais foram lembradas quando ele estava na seção de ferramentas numa grande loja de departamentos infestada de gente na época do natal, e pensou como elas poderiam ser úteis para ele conseguir sair de lá.

Já a atriz Marilyn Burns (1949 / 2014), que interpretou a “scream queen” Sally Hardesty, comentou sobre o estranho roteiro inspirado no assassino Ed Gein, cujas atrocidades também serviram de referência para outros dois excelentes filmes, “Psicose” (1960) e “O Silêncio dos Inocentes” (1991), sem contar diversos outros menores. Segundo ela, os três filmes são diferentes, apesar da mesma fonte de inspiração, e no caso do “Massacre”, eles apenas juntaram a serra elétrica e a palavra “Texas”.

O ator islandês Gunnar Hansen (1947 / 2015), que interpretou o maníaco “Leatherface”, curiosamente revelou que no período de contratação do elenco, a equipe de produção gostou do fato dele ser tão grande que ocupava todo o vão da porta, e isso deve ter ajudado na sua escolha para o papel do psicopata.    

O diretor de arte Robert A. Burns, assim como outros envolvidos na produção, informou que o roteiro original do filme tinha muitas páginas sobre jovens dirigindo aleatoriamente pelas estradas, com muito humor hippie, e que depois foi encurtado e reescrito diariamente durante as filmagens. Ainda bem que ocorreu essa mudança, pois teria grande chance de tornar o filme mais comum e menos perturbador. “Leatherface” teria muitas falas originalmente, mas após uma análise de Tobe Hooper foi decidido que não funcionariam e foram cortadas, numa decisão acertada. O psicopata com máscara de pele humana tornou-se uma lenda do cinema de horror, sem voz e rosto. Burns foi o responsável pelos efeitos especiais em geral e pelos objetos de cena, como as mobílias de ossos. Ele revelou que coletava ossos de animais mortos em fazendas e que recebia artefatos similares de seus amigos. Disse também que até aprendeu taxidermia especialmente para aplicar a técnica num tatu que encontrou morto atropelado, e que foi utilizado numa cena rápida do filme.   

Os atores fizeram questão de enfatizar as imensas dificuldades de trabalho por causa do baixo orçamento, que ficou em torno de apenas US$ 125 mil. Eles tinham que filmar entre 12 e 16 horas diárias enfrentando muito calor, acima de 40 graus. E não havia um trailer para descanso, pois tudo era muito limitado. A famosa cena do jantar demorou 26 horas para filmar e com o calor intenso as mobílias de ossos e os restos de vísceras estavam apodrecendo, deixando o ambiente com um cheiro extremamente desagradável.

O ator John Dugan, cunhado de Kim Henkel (um dos roteiristas e produtores), era muito jovem na época, com apenas 20 anos. Ele interpretou o centenário vovô, tendo que se submeter a um trabalho demorado de maquiagem para envelhecimento.

Por causa do baixo orçamento e o receio de estragar a roupa de “Leatherface” com uma lavagem que poderia alterar a cor, o ator Gunnar Hansen teve que utilizar a mesma roupa sem lavar durante o filme inteiro, convivendo com um odor que inevitavelmente incomodava todos ao redor.

O filme não tem muito sangue e violência explícita, mesmo sendo considerado um dos mais perturbadores da história do cinema de horror. Os realizadores não queriam sangue em profusão, preferindo optar por um horror mais implícito. Por mais reais que as cenas sangrentas possam parecer, existe uma distância entre o público e a história, pois os espectadores sabem que é falso. A cena da garota Pam (Teri McMinn) pendurada num gancho de açougue é extremamente chocante sem uma única gota de sangue, com o uso de efeitos especiais convincentes, numa época sem a computação gráfica que torna tudo muito artificial.     

“O Massacre” estreou em 11/10/1974 nos Estados Unidos, distribuído pela “Bryanston Pictures”, que curiosamente tinha relações com a máfia e com o lançamento do famoso filme erótico “Garganta Profunda” (Deep Throat, 1972). Porém, a grande quantidade de dinheiro obtida pelo sucesso comercial do filme sumiu, não chegando até os realizadores. Depois de vários problemas e processos na justiça, o filme foi depois relançado pela “New Line”. Algo similar também aconteceu com a distribuição internacional com a empresa “Raven”, cujos proprietários desapareceram depois de ganhar muito dinheiro com o filme.

Todos os membros da equipe técnica e os atores foram unânimes em afirmar que jamais esperavam o imenso sucesso e repercussão positiva que o filme conquistou. Eles achavam que seria apenas mais um filme de horror de baixo orçamento, e que a maior parte do sucesso deve-se ao fato do público acreditar que a história fosse real, que o filme poderia ser uma espécie de documentário falando de algo violento que realmente aconteceu. Porém, a história é totalmente fictícia, e apenas inspirada no assassino Ed Gein.

Assim como diversos outros filmes similares de horror, o “Massacre” foi censurado na Inglaterra por muitos anos e apenas em 1999 foi liberado sem cortes no cinema e em vídeo, ou seja, 25 anos depois de seu lançamento americano.

Uma das cenas mais perturbadoras e sempre lembradas e citadas tanto pelos envolvidos no projeto quanto pelos fãs, é a longa sequência de perseguição entre a garota Sally e o psicopata “Leatherface”, numa correria desenfreada e interminável pela floresta, com o barulho ensurdecedor da motosserra muito próxima de destroçar a carne da vítima indefesa. 

No capítulo referente à repercussão do filme entre os críticos de cinema, vale transcrever o resumo de uma das críticas:
Prepare-se para uma experiência totalmente repugnante e, para muitos, literalmente nauseante... uma torrente explícita de sangue. Quatro ou cinco (é difícil determinar a quantia exata somando os pedaços) jovens aventureiros encontram um diabólico açougueiro de carne humana no interior do Texas. O maníaco corre enfurecido atrás deles com uma serra elétrica e outros instrumentos de destruição, incluindo um gancho de açougue. O filme é doentio, como também é o público que se diverte com ele.

O diretor Tobe Hooper também ganhou um capítulo específico sobre sua carreira instável, sempre oscilando em altos e baixos, com informações curiosas de bastidores sobre vários de seus filmes. De sua filmografia foram citados, analisados e comentados, entre outros, os filmes “Eaten Alive” (1976), “Pague Para Entrar, Reze Para Sair” (The Funhouse, 1981), “Poltergeist, o Fenômeno” (1982), “Força Sinistra” (Lifeforce, 1985), “Invasores de Marte” (1986), “O Massacre da Serra Elétrica Parte 2” (1986), “Conspiração Atômica” (Spontaneous Combustion, 1990), “A Morte Veste Vermelho” (I´m Dangerous Tonight, 1990), “Noites de Terror” (1993), “Mangler – O Grito de Terror” (1995), “Crocodilo” (2000), etc.

A produtora Cannon, dos israelenses Yoram Globus e Menahem Golan, fechou um contrato com Hooper para 3 filmes entre 1985 e 1986: “Força Sinistra”, “Invasores de Marte” e “O Massacre 2”. Porém, a parceria foi tensa e cheia de conflitos e os dois primeiros filmes tiveram uma receptividade ruim nas bilheterias. “Força Sinistra”, por exemplo, sofreu um corte imenso dos produtores e teve seu nome original alterado de “Space Vampires” para “Lifeforce”, desagradando completamente Hooper. “Space Vampires” (no Brasil, “Vampiros do Espaço”) é o nome do livro de Colin Wilson, lançado em 1976 e que inspirou o roteiro do filme.

Curiosamente, a máquina assassina do bizarro “Mangler – O Grito de Terror”, uma espécie de lavadeira que se alimenta de carne humana, foi criada pelo filho de Hooper, William Tony Hoopert. O filme foi baseado num conto de Stephen King e estrelado por Robert Englund, que é mais conhecido como o psicopata da luva de facas “Freddy Krueger” na franquia “A Hora do Pesadelo”.   

“O Massacre da Serra Elétrica Parte 2” (1986)

A continuação de “O Massacre da Serra Elétrica” recebeu outro extenso capítulo. Infelizmente, por decisão equivocada de Hooper, a parte 2 é repleta de elementos de humor negro que em minha opinião não funcionaram. E, apesar da grande quantidade de cenas sangrentas e do excelente trabalho de maquiagem do mestre Tom Savini, em comparação com o filme de 1974, a sequência é infinitamente inferior. Hooper inicialmente seria apenas produtor, mas como não conseguia encontrar um diretor com as qualidades exigidas em tempo, foi obrigado a assumir a direção também.
O filme teve um elenco diferente do original, exceto pelo retorno de Jim Siedow como o cozinheiro. Com um orçamento muito maior e produção da “Cannon”, os realizadores cometeram uma falha quando não fizeram grandes esforços para trazer de volta Gunnar Hansen como “Leatherface”, e o papel foi para Bill Johnson. Foi um erro grosseiro, uma vez que Hansen fez o “Leatherface” original e será para sempre lembrado por sua atuação.
Entre as diversas informações de bastidores, foi revelada a imensa dificuldade no trabalho de muitas horas de maquiagem do ator Ken Evert para ser transformado no vovô (aliás, foi sua única participação no cinema). As condições de trabalho eram muito difíceis, e vários atores e membros da equipe técnica adoeceram nas filmagens, devido à grande diferença de temperatura entre o ambiente externo com muito calor e o set com ar condicionado misturado com fumaça. Bill Johnson revelou que contraiu pneumonia e passou muito mal.
O diretor de fotografia Richard Kooris informou que a relação com a produtora “Cannon” era caracterizada por muita animosidade entre eles. Hooper e demais comandados sofreram grande pressão para redução de prazos e custos. O trabalho foi extremamente árduo e desgastante física e psicologicamente, com quinze horas diárias de filmagens, em seis dias por semana, num total de nove semanas e meia. 
Na parte das resenhas sobre a continuação, a receptividade foi ruim. Segue transcrição de uma delas:
Outro erro é comparar gritaria e mutilação com suspense. Este filme é monótono do início ao fim, nunca dando atenção ao ritmo, ao tempo, à expectativa do horror. Ele não pausa nem para apresentar os personagens; Dennis Hopper tem a tarefa mais ingrata, a de interpretar um homem que passa a primeira metade do filme parecendo distraído e vago, e a segunda metade gritando em meio a duelos de serras.

“Leatherface: O Massacre da Serra Elétrica 3” (1990)

A terceira parte da franquia também recebeu o seu capítulo específico, com a produção passando agora para a “Nerw Line Cinema”, que fez alguns filmes da cinessérie “A Hora do Pesadelo”. O roteirista do original, Kim Henkel, achava inicialmente que poderia ser um consultor com significativa participação na concepção do filme, mas a produtora não deu muita atenção para ele.
A direção é de Jeff Burr e o elenco tem nomes importantes como Viggo Mortersen (o Aragorn da trilogia “O Senhor dos Anéis”) e Ken Foree (do cultuado “Despertar dos Mortos”, 1978, de George Romero, e “Do Além”, 1986, de Stuart Gordon). “Leatherface” mudou de ator novamente, passando a serra para R. A. Mihailoff.
Com um orçamento de US$ 3 milhões, as filmagens ocorreram entre Julho e Agosto de 1989, com 80% de cenas noturnas que foram trabalhosas e dificultadas pela forte neblina das madrugadas no set de filmagens.
Como o filme sofreu muitos cortes de cenas violentas para poder receber uma classificação de acesso para um público maior, o diretor Jeff Burr não gostou do tratamento final e queria seu nome retirado dos créditos, alegando que os cortes prejudicaram demais o filme. Que, aliás, foi censurado na Inglaterra, ficando proibido até 2004. O capítulo traz também uma interessante entrevista com o roteirista David J. Schow, onde ele fala sobre esse problema com a censura e a crítica de violência contra as mulheres no filme.
A receptividade dessa terceira parte da franquia também não foi entusiasmada, apesar da opinião geral dos críticos e público sobre ser bem melhor que a parte 2, com seu humor meio fora de contexto.  

“O Massacre da Serra Elétrica – O Retorno” (1994)

A parte 4 da franquia também teve um orçamento baixo, em torno de US$ 600 mil, com as filmagens ocorrendo em apenas 6 semanas em 1993. A direção e roteiro são de Kim Henkel, o roteirista do filme original. A maior curiosidade é a presença no elenco dos atores Matthew McConaughey e Renée Zellweger, então desconhecidos na época e que tiveram carreiras bem sucedidas. Outra curiosidade refere-se à atriz Tonie Perenski, que estava sempre bonita e maquiada nas filmagens, mesmo em cenas de confrontos e lutas, onde não deveria estar tão bem. O ator Robert Jacks, que interpretou “Leatherface” e teve uma carreira curtíssima com praticamente esse único filme, morreu ainda jovem em 2001 com 41 anos, vítima de um aneurisma abdominal.
Kim Henkel revelou que tiveram muitos problemas de distribuição com a produtora Columbia, que não tinha interesse em lançar o filme nos cinemas, tanto que foi exibido nos Estados Unidos em poucas salas de forma limitada e com um atraso imenso, somente em 1997.
Três atores do clássico de 1974 foram homenageados com pontas no final do filme: Paul A. Partain, John Dugan e Marilyn Burns.
Quanto à receptividade, existem opiniões diversas e opostas, mas vale registrar e reproduzir uma resenha depreciativa de um fã bem desapontado com o filme:
... Leatherface é um viado travesti que grita como uma menina e em todos os filmes a família dele é canibal, menos na parte 4 em que eles comem pizza. Leatherface também não é mais o principal membro da família, é aquele idiota do Vilmer (Matthew McConaughey). E também Leatherface só matou uma pessoa e foi com uma marreta, não a serra, o resto das mortes é do Vilmer. Então os filmes do Massacre da Serra Elétrica são meus favoritos, exceto essa enganação da parte 4...

“O Massacre da Serra Elétrica” (2003)

A refilmagem de 2003 tem produção de Michael Bay, um nome bem conhecido por blockbusters como “Armageddon” (1998) e “Pearl Harbor” (2001), filmes da mesma época, e atualmente é só se lembrar da barulhenta franquia “Transformers”. O único membro da equipe de produção do filme original que foi chamado para participar novamente foi o diretor de fotografia Daniel Pearl. Tobe Hooper e Kim Henkel estão creditados como co-produtores, mas revelaram que suas opiniões para o projeto não foram consideradas.
A direção foi de Marcus Nispel, com um orçamento de US$ 15 milhões pela produtora “New Line Cinema” novamente (que já tinha a parte 3 no currículo). “Leatherface” foi interpretado de novo por outro ator diferente, Andrew Bryniarski. E exceto pelo veterano R. Lee Ermey, o elenco é formado por jovens desconhecidos, vistos apenas em séries americanas de TV.

“O Massacre da Serra Elétrica – O Início” (2006)

Apenas três anos depois da refilmagem, foi lançada uma pré-sequência contando eventos antes da história do filme de 2003. A direção foi de Jonathan Liebesman e Andrew Bryniarski repetiu o seu papel como o maníaco “Leatherface”. Curiosamente, ele revelou que aprecia metal extremo e citou a sangrenta música “Raining Blood”, da lendária banda de thrash metal “Slayer”.
O eterno, primeiro e único “Leatherface”, Gunnar Hansen, disse que ficou desapontado com o filme, pois o psicopata foi desmascarado, seu mistério deixou de existir, revelando que teve uma doença de pele na infância e que a partir daí começou a matar por vingança pessoal.  

“O Massacre da Serra Elétrica 3D – A Lenda Continua” (2013)

Considerado uma continuação direta do original de 1974, o sétimo filme da série foi filmado em 3D com direção de John Luessenhop. Curiosamente, tem a presença de alguns atores do clássico, em pequenas participações que serviram mais como forma de homenagem para Marilyn Burns, Gunnar Hansen e John Dugan, além também de Bill Moseley, que foi o “Chop-Top” na parte 2. “Leatherface” novamente foi interpretado por um ator diferente, com a serra indo para as mãos de Dan Yeager.
Apesar que esses velhos atores revelaram que gostaram do roteiro, esse filme é mais uma “bomba” manchando a franquia, repleto de clichês e situações já vistas tantas vezes que o tornaram apenas mais um filme comum perdido na infinidade de produções similares, com o único diferencial de possuir um título da popular franquia.  

OBS.1: Em 2017 veio o oitavo filme situado nesse imenso universo ficcional de “Massacre da Serra Elétrica”. Com o sugestivo e manjado título “Leatherface”, foi dirigido por Alexandre Bustillo e Julien Maury, os mesmos responsáveis pelo excelente filme francês “A Invasora” (2007). A história mostra eventos anteriores ao primeiro filme da saga, abordando a adolescência conturbada de “Leatherface”.
OBS.2: Em 1988 foi lançada uma paródia do clássico de 1974, “Hollywood Chainsaw Hookers”, com Gunnar Hansen no papel principal, e direção de Fred Olen Ray. Foi lançado em VHS no Brasil com o nome picareta “O Massacre da Serra Elétrica 3 – O Massacre Final”, mas não tem relação com a franquia, e o título recebido por aqui apenas contribuiu para confundir os fãs.

Documentários e filmes derivados

Segundo o livro, existem três documentários sobre a franquia (e mais um “making of” no DVD da parte 3). São eles: “The Texas Chainsaw Massacre: A Family Portrait” (1988), de Brad Shellady, “The Return of the Texas Chainsaw Massacre: The Documentary” (1996), de Brian Huberman, e “Texas Chain Saw Massacre: The Shocking Truth” (2000), de David Gregory.
O primeiro documentário é sobre o filme original, num trabalho independente do diretor, que contou principalmente com o auxílio de Gunnar Hansen. O segundo é sobre a parte 4, com informações de bastidores e depoimentos dos envolvidos no projeto, com sua produção acontecendo em paralelo com as filmagens. E o terceiro também tem como foco principal o primeiro filme, porém com espaço paras as demais partes 2, 3 e 4, com vários depoimentos de Tobe Hooper e Kim Henkel, além dos atores e demais membros da equipe técnica.
Tem também um documentário de curta metragem chamado “Leatherface Speaks” (2001), de Jim Moran, com revelações interessantes de Gunnar Hansen sobre os bastidores do clássico de 1974.
Além dos documentários, o livro informa sobre um filme de curta metragem (22 minutos) chamado “Headcheese” (2002), que foi um dos primeiros nomes imaginados para o “Massacre”. Tem direção de Duane Graves e Justin Meeks, além de co-produção do próprio Kim Henkel. É uma homenagem ao cultuado filme de 1974, com as filmagens utilizando as mesmas locações do clássico.
“All American Massacre” é um média metragem de 60 minutos que nunca foi lançado, dirigido pelo filho de Tobe Hooper, William Tony Hooper e Eric Lasher. A história é um tributo aos dois primeiros filmes da franquia, focando as ações no personagem doentio “Chop-Top”, interpretado por Bill Moseley (parte 2).  

Ed Gein

O psicopata americano Ed Gein (1906 / 1984) teve seu capítulo também. Ele ficou conhecido pelas atrocidades cometidas, roubando restos de cadáveres dos cemitérios e guardando em casa, além de fazer mobílias e objetos com ossos e peles humanas, inspirando a realização de vários filmes. O livro dá uma atenção especial para o filme “Confissões de Um Necrófilo” (Deranged, 1974), baseado na história real desse assassino.

Finalizando este compêndio precioso, temos um capítulo com os nomes e breves biografias de dezenas de pessoas envolvidas nos vários projetos da extensa franquia: atores, diretores, roteiristas e equipe técnica de produção. Em outro capítulo, temos as fichas técnicas de “Eggshells” e de todos os sete filmes da série.

O Massacre da Serra Elétrica – Arquivos Sangrentos” (The Texas Chain Saw Massacre Companion, 2003)
Autor: Stefan Jaworzyn
Editora “Dark Side” (Rio de Janeiro/RJ). Lançado no Brasil em 2013. Tradução de Antônio Tibau e Dalton Caldas.
“Coleção Dissecando – Filmes Clássicos de Terror”. Formato: 16 x 23 cm. 320 páginas.

(Juvenatrix - 07/09/17)

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Almanaque da Arte Fantástica Brasileira 2016

Está disponível aqui, para leitura e download gratuitos, a lista de lançamentos e relançamentos literários de fantasia, fc e horror no Brasil em 2016, que é um suplemento do blogue Almanaque da Arte Fantástica Brasileira.
Há alguns meses, publiquei aqui um estudo elaborado como tarefa acadêmica no curso Bacharelado de Ciências e Humanidades da Universidade Federal do ABC, com algumas conclusões estatísticas sobre essa lista. Contudo, como prossigo com a pesquisa dos títulos até mais ou menos o meio do ano, foram acrescentados títulos à relação que serviu de base ao estudo e alguns números foram ligeiramente ampliados, mas não em quantidade que desqualifique as conclusões obtidas nele. Também publiquei aqui, no início deste ano, um artigo comentando os títulos que considero mais relevantes dessa produção. Ambos merecem a leitura de quem tiver interesse pelo assunto, então agora vou apenas comparar os números finais de 2016 com os de 2015, cuja relação também está disponível aqui.
Foi interessante observar que, apesar da crise moral, política e financeira que assola o país, o campo da literatura fantástica brasileira cresceu. Isso não é incomum. Em tempos de crise, a busca pelo gênero fantástico – dito escapista – tende a aumentar. E, desta vez, o fenômeno não ficou restrito às mídias audiovisuais e chegou também aos livros.
No total, foram publicados em 2016, 321 títulos de autores brasileiros, contra 282 em 2015, um crescimento até bastante razoável. A fantasia segue sendo o gênero mais praticado, com a fc em segundo e o horror em terceiro, e os três gêneros apresentaram crescimento em relação a 2015. Na categoria romance, por exemplo, a fantasia subiu de 105 para 142 títulos, a fc foi de 49 para 53, e o horror, de 37 para 43.
No que se refere a ficção traduzida, os números caíram: foram publicados 339 livros em 2016 contra 414 em 2015. Ainda que a fantasia também predomine aqui, sofreu uma redução de 129 para 93 títulos publicados na categoria romance. Também a fc caiu de 140 para 127, e o horror, de 50 para 32, nessa categoria.
Isso leva a crer que a crise está ajudando os autores locais a obterem espaço, embora muito desse crescimento seja enganoso em termos de tiragem absoluta: os livros de autores nacionais continuam a ser muito menos distribuídos que dos estrangeiros e são poucos os que ganham tiragem superior a uma centena de unidades. Por isso, a plataforma virtual tem sido cada vez mais utilizada pelos autores e até algumas editoras.
As ferramentas tecnológicas vieram para ficar, assim como a globalização. Se isso é bom, ainda não é possível saber. É cada vez mais difícil fazer este levantamento devido a miríade de nanoeditoras atuando no mercado. A quantidade de títulos aumenta, mas decerto que o público não inflaciona na mesma medida. E com mais autores disputando o mesmo mercado restrito, favorece-se o seletivismo, que eleva a qualidade a médio prazo. O que não deixa de ser interessante.